terça-feira, 29 de maio de 2012

Amor a primeira vista

Sabe quando uma banda ganha seu coração apenas com uma música? Pois é assim é minha relação com os meninos do 5 à seco. Foi amor a primeira vista. O youtube me "sugeriu" que assistisse um vídeo da música Faça desse drama e pronto: estava completamente apaixonada.


Cinco músicos completos e que se completam. Cinco garotos talentosos, porque além de serem multi-instrumentistas, são compositores de lindas canções, letras que se encaixam quando me faltam palavras... Cinco garotos que, de diferentes formas, ajudam a melhorar os meus dias e embalam a minha rotina. Trilha sonora na alegria e na tristeza.


Pois bem, em janeiro pude vê-los pela primeira vez no Parque Villa-Lobos, que foi lindo de viver! Mas ainda sentia falta daquele contato físico, de tirar foto, de poder dizer o quanto eles são lindos e talentosos. 
E não é que esse dia chegou? Sábado passado eles tocaram pertinho de casa num show super intimista, só quem foi sabe o quanto aquela noite foi especial. Ainda estou nas nuvens.


O show estava marcado para começar às 20h, e lá estava eu sentada nas primeiras fileiras com a câmera a postos para registrar cada segundo daquele espetáculo! Tocaram Gargalhadas, Tatame, Pra você dar o nome, Abrindo a porta e tantas outras que me fizeram variar numa montanha-russa de emoções. Pedi para tocarem e, como num passe de mágica, eles atenderam ao meu pedido. Ouvi duas músicas novas que são liiiiiiiiiiindas demais, Pedro e Tó cantando em inglês fizeram o meu coração derreter e meus olhos se encherem d' água - fato que aconteceu  outras três vezes.


O término do show era a minha oportunidade de dar o bote neles. Mas estava tão nervosa que não conseguia sair do lugar, precisei de um empurrão de uma amiga.
No fim das contas tudo saiu melhor do que tinha imaginado: tirei foto, bati papo, fui convidada para outro show... Agora é esperar, porque dia 12 de junho tem mais. Quer melhor companhia do que a desses lindos para passar o dia dos namorados?

sexta-feira, 18 de maio de 2012

(...)


Pois eu, eu só penso em você

Já não sei mais porque

Em ti eu consigo encontrar
Um caminho, um motivo, um lugar
Pra eu poder repousar meu amor

sábado, 12 de maio de 2012

De alma lavada

Era chegado o grande dia. Finalmente iria ver um show dos barbudos mais lindos e incríveis que existem: LOS HERMANOS, de longe minha banda nacional favorita.
Como queria ficar o mais próximo possível do palco sai cedo de Mogi, tendo em vista que o show começaria às 22h. Cheguei ao Espaço das América por volta das 16h, na fila deveria ter cerca de 60 pessoas, sinal de que teria um bom lugar para ver o espetáculo. E que espetáculo!
Abriram a casa de shows pouco mais das 19h, foi tudo muito rápido: a entrega do ingresso, a revista... quando percebi já estava correndo como uma maluca mirando o palco. Objetivo concluído: Estava há uma pessoa da grade, eu disse UMA pessoa, colei meus pés na frente do microfone do Amarante e pude ver cada gesto, cada careta, cada dancinha que só aquele gênio sabe fazer.

Los Hermanos
Da abertura do local do show até a entrada do barbudos foram duas horas e meia de angústia e espera sem fim, até que às 22h15 apagaram as luzes, e o quarteto tomou conta do palco! Não deu outra: tremedeira em foco e sem choradeira como já havia previsto. 
Amarante só no tchê tcherere tchê tchê
Abriram o show com "Além do que se vê" e já emendaram "Retrato pra ia iá" e "O vencedor" que cantei a todo o pulmão. Aliás, coloquei meus pulmões a prova nesse show, porque nem no show do Pearl Jam eu gritei e pulei tanto. Quando tocaram "Todo o carnaval tem seu fim" foi o momento de jogar todos os confetes e as serpentinas que a minha amiga havia comprado. Foi lindo de se ver, todos os oitos mil hermanos jogando confetes e serpentinas. Mágico!
Lindo demais ver eles se divertindo tanto quanto eu
Dava para ver no rosto de cada um dos integrantes da banda o quanto eles estavam felizes e se divertindo,  (menos o Bruno Medina, que não deu nem um tchau para a platéia, parecia que estava ali por obrigação, sem a menor vontade de interagir com seus fãs). Rodrigo Amarante é uma figura, fazia caras e bocas e dos quatro era o que mais interagia com o público, quando o show estava terminando ele foi agradecer por estarmos ali, aí ele solta a pérola: "Um alô pro pessoal de trás, o pessoal mais idoso", foi demais. Poder ver Marcelo Camelo e o próprio Amarante tão animados, cantando no mesmo microfone, um mexendo na guitarra do outro e quase dando cambalhotas no palco... não tem dinheiro que pague.
Bruno Medina,  deveria estar ali por obrigação, tsc
Para o meu delírio ainda tocaram "O vento", "Um par", "Condicional" e "Quem sabe", ao todo foram 28 canções, em duas horas de show. Quando tocaram a minha música favorita "Conversas de botas batidas" eu não aguentei, abri os braços, fechei os olhos e senti as lágrimas rolando, para mim foi o ápice do show. Encerraram com a mesma música dos concertos anteriores: "Pierrot" . Sai de lá cheia de confetes, com o pé moído, suada,  mas de alma lavada. Valeu Los Barbudos!

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Falta palavras

E agora o que resta é a lembrança das gargalhadas, dos conselhos, das histórias que contava, da voz rouca e de todas as gentilezas. Agora o que resta é a saudade que irá acompanhar, não só a mim, mas a todos que te amava e que te ajudou. Nosso amor por você será eterno. ♥


Alê

terça-feira, 1 de maio de 2012

Derretendo

Sempre sofro na época fria do ano. Minhas mãos, meus pés, meu nariz e minhas orelhas costumam ficar mais gelados do que o normal. Tenho que andar encapotada e, parece que perco meus movimentos. Minha pele resseca, meu cabelo fica com frises. É horrível ter que sair de casa, tomar banho torna-se tarefa complicada, e  ainda há quem goste dessa estação... 
Mas sempre tem aquela música para aquecer corações que teimam em permanecerem gelados.

Angus and Julia Stone - Yellow Brick Road